Revista Página22 :: ed. 22 (agosto/2008)

COMPARTILHE

EDITORIAL - Floresta de gente 

O grande capital está a caminho da Amazônia. O potencial econômico da região sempre foi conhecido, pois não é de hoje que ali correm rios, viceja a mata e repousam os minérios. Quando o mundo exibe os sintomas de uma grave recessão econômica e a natureza dá sinais de esgotamento em vários pontos do globo, o Brasil parece finalmente disposto a intensifi car a exploração amazônica. Foram reabertas as discussões no Congresso Nacional sobre exploração mineral em terras indígenas; grandes empresas desembarcam na região para construir hidrelétricas, rodovias, portos; e o País experimenta a concessão de florestas públicas para o setor privado.

Diante do consenso global de que a Amazônia é importante demais em termos ambientais, esses novos atores juram seguir a cartilha da sustentabilidade. As marcas que deixarão lá talvez só apareçam ao longo do tempo. Um indicador mais imediato da qualidade das práticas levadas à floresta são as pessoas. Às vezes descrita como “paupérrima” sob a ótica urbana e sulista, a maioria dos habitantes da Amazônia rural leva, na verdade, uma vida simples – que certamente sofrerá uma revolução com a chegada dos grandes empreendimentos. Assim como os rios, a floresta e os minérios, eles sempre estiveram ali, mas só agora são vistos como merecedores de “desenvolvimento”.

Vale ponderar sobre o que significa desenvolvimento também do ponto de vista dessas pessoas. Como mostra a experiência da Austrália, a compensação financeira não basta para dar conta de um passado de negligência. Mas vivemos agora a oportunidade de criar formas de governança em que agentes privados sentam-se à mesa com as comunidades locais e representantes do terceiro setor. Pipocam no Brasil e no mundo iniciativas que promovem o diálogo e a negociação entre interesses divergentes. Ainda são pequenas diante do mainstream, mas trazem grande significado: ouvir e apreender os modos locais, em vez de impor um fazer estrangeiro. E assim forjar uma nova noção de desenvolvimento.

Boa leitura.

Acesso à publicação


Mais Lidos

Nenhum post encontrado.